A vasta maioria das dietas concorda com a ideia que alimentos saudáveis compartilham das mesmas características. Mas discordam quando determinem quais são essas características. Por exemplo, a dieta paleolítica se baseia na ideia de que todos os alimentos “antigos” são saudáveis.

Esse artigo foi publicado inicialmente no Triathlete Europe

Já a dieta vegetariana baseia0se na ideia que qualquer alimento de origem animal não é saudável. Dietas para controle glicêmico, afirmar que a quantidade de glicose do alimento é que determina se é ou não saudável.

O apelo de todas essas teorias sobre dietas é de que é simples, o único problema desse apelo tão simplório é que são falsos. Uma enormidade de estudos científicos mostra que o padrão tão preto ou branco estabelecido por essas dietas tem suas exceções, vamos nos ater aos três exemplos citados acima:

Grãos integrais não são bem quistos pelos defensores da dieta Paleolítica: No entanto uma vasta maioria de artigos científicos mostram que tanto homens ou mulheres, que ingerem grãos integrais são magros e menos suscetíveis a desenvolver diabetes tipo 2 e doenças cardiovasculares, e vivem mais do que quem não ingere grãos integrais frequentemente.

Peixe é proibido na dieta vegetariana: Por outro lado, inúmeros estudos científicos mostram que a inclusão de peixe na dieta cotidiana reduz o risco de desenvolver doenças cardiovasculares e depressão! Além de ser uma ótima fonte para melhorar funções cerebrais na terceira idade.

De acordo com a dieta baseada no Índice Glicêmico dos alimentos, batata frita que possuem índice glicêmico relativamente baixo de 54, deve ser mais saudável que batata cozida que tem índice glicêmico de 74. Mas um estudo publicado no Journal of the American College of Nutrition mostrou que pessoas que incluíram de cinco a sete porções de batatas cozidas em sua dieta perderam peso! Por outro lado um estudo publicado por pesquisadores da Harvard School of Public Health mostrou que batatas fritas são as maiores responsáveis pela alta taxa de obesidade na sociedade americana atualmente.·.

O fato é que não ha uma única característica que traduz alimentos saudáveis ou outra característica que chancela um alimento não saudável! Cientistas afirmam que a única maneira de determinar o quanto saudável é um alimento, é verificar como ele realmente afeta a saúde. E o termo que o cientista usa para esses alimentos é “alta qualidade”.  E surpreenda-se, pois não ha nenhuma característica em comum nos alimentos que ganham o “selo de alta qualidade”.

Estudos demonstram dia apos dia que vegetais, frutas, sementes e oleaginosas em geral (castanhas, amêndoas, nozes, entre outras), peixe, iogurtes, leite, moderadas quantidade de vinho e azeite de oliva, estão todos associados a um resultado positivo para a saúde. Esses alimentos são comumente classificados como de alta qualidade. E não serão encontradas características nutricionais similares nesses alimentos.

Os vários tipos de alimentos saudáveis não compartilham de características nutricionais, justamente por serem complementares.  Então qual o caminho a seguir em sua alimentação cotidiana? Simples, comer mais frequentemente alimentos de “alta qualidade” e menos frequentemente alimentos de “baixa qualidade”. Para ajudar um pouco a escolha dos alimentos em seu dia a dia, encontre abaixo uma lista de 10 alimentos, os 6 primeiros classificados como de “alta qualidade” e os 4 últimos classificados como de “baixa qualidade”.

  • Sementes, Nozes, Castanhas, Amêndoas.
  • Azeite de Oliva
  • Frutas
  • Grãos integrais
  • Laticínios
  • Frutos do Mar, Carne não processada.
  • Grãos refinados
  • Doces
  • Carne processada
  • Frituras

Você deve comer todos os tipos de alimentos de alta qualidade e eventualmente também os alimentos de baixa qualidade, inclusive atletas de performance fazem isso.  Apenas deve haver a consciência de consumir mais alimentos de alta qualidade do que de baixa qualidade.